Parcerias com Orgãos Estaduais


Projeto Integra SP

As áreas de pastagem em São Paulo somam 7,8 milhões de hectares -40% das terras agricultáveis (LUPA, CATI). Desses, em função do manejo inadequado, aliado à falta de conhecimento e linhas de crédito específicas, estima-se que 4,6 milhões de hectares estão em estágios iniciais ou medianos de degradação e 1,5 milhão de hectares encontram-se em estágio avançado. A meta é a recuperação de pelo menos 20% de área degradada de pastagem até 2020. (Termo de Referência para Execução de Pesquisa Adaptativa, Contrato de Empréstimo 4338 BR, Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas, DRUGOWICH M.I.; Savastano S., CATI, 2000)

O projeto objetiva aplicar conceitos estratégicos e dinâmicos de sustentabilidade dos sistemas de produção e conservação do meio ambiente, e viabilizar ações de operacionalidade para, além da oferta dos sistemas vigentes, aliar o conhecimento de novos modelos com tecnologia de última geração produzidos para atender o setor agrícola.

Tem ainda como objetivos específicos:

- Preservação e recuperação dos solos e recursos hídricos;

- Melhoria de renda e qualidade de vida no ambiente rural;

- Preservação ambiental e mitigação da emissão de gases de efeito estufa, atendendo às metas do Programa Estadual de Mudanças Climáticas;

- Aperfeiçoamento e objetividade na capacitação de mão de obra e na transferência de tecnologias ao produtor rural.

A estratégia de ação para a implantação deste trabalho passa pela capacitação e nivelamento dos técnicos da extensão para proporcionar, num segundo momento, a capacitação direta de 4 mil produtores rurais e possibilitar a harmonização e a padronização dos conceitos aplicados na elaboração de 450 projetos, com meta de instalação de 25 Unidades de Adaptação de Tecnologia, 250 Unidades Demonstrativas, projeto de controle de 800 voçorocas e acompanhamento direto de 310 mil hectares de áreas trabalhadas.

Isso será possível, a partir da realização de um diagnóstico das características, nível e extensão da degradação e das suas causas, levantando assim os tipos de solos, clima, topografia, espécie de forrageira, ocorrência de pragas e doenças, produtividade, manejo animal, hábitos culturais e os custos de produção envolvidos para os diferentes sistemas propostos. Tais providências são necessárias para a definição pontual das tecnologias indicadas para atenuar o problema.

Práticas complementares são necessárias para efeito de proteção e devem ser consideradas no planejamento, como divisão de pastagens, adequação de aguadas, práticas mecânicas de conservação do solo, dentre outras.

Existe estoque de tecnologias aptas para reverter esse processo, cabendo, entretanto, a indicação segura de soluções para as diferentes situações. Como consequência da aplicação e adaptação das tecnologias, é possível aumentar significativamente a capacidade de suporte das pastagens e a reintegração de áreas degradadas ao processo produtivo de grãos, carne e leite, fibras e energia, gerando receitas e aumento na oferta de empregos e serviços, bem como na venda de insumos, propiciando modificações profundas nas economias locais. Outro efeito altamente positivo esperado é a mudança do comportamento do produtor com relação ao tratamento das pastagens e à inclusão de lavouras no seu complexo produtivo.

 

Apoio à recuperação de áreas degradadas por grande erosões

A CATI apoia os agricultores cujas propriedades apresentam áreas degradadas por grandes erosões – RADGE na recuperação destas áreas, desenvolvendo sistemas integrados de produção agropecuária. Estas atividades são passíveis de subvenção econômica pelo FEAP/BANAGRO e correspondem ao reembolso parcial das despesas efetuadas pelos produtores rurais na adoção das práticas recomendadas, desde que enquadrados como beneficiários e detenham autorização de execução de prática reembolsável emitida pela SAA, através da CATI e obedecendo às leis ambientais. Este apoio contempla desde a divulgação do programa entre os produtores prioritários, à elaboração do projeto técnico, até o acompanhamento da execução das atividades.

 

Elaboração e acompanhamento dos projetos técnicos da Linha de Financiamento INTEGRA-SP

A linha de financiamento INTEGRA­SP – Lavoura, pecuária e floresta possui como objetivos: a preservação e recuperação dos solos e recursos hídricos; a recuperação de pastagens, o aumento da produtividade animal por área (carne e leite), a melhoria de renda e da qualidade de vida no ambiente rural, e a preservação ambiental e mitigação da emissão de gases de efeito estufa dentre outras.

Cabe à Secretaria de Agricultura e Abastecimento, através da CATI, elaborar e acompanhar os projetos técnicos para fins de obtenção dos financiamentos, bem como participar da escolha e enquadramento dos beneficiários, com base nas informações do Manual Técnico de Manejo e Conservação do Solo e da Água – Manual Técnico CATI 38/39/40/41/42 – 1992.

 

Para maiores informações procure uma Casa de Agricultura ou  Escritório de Desenvolvimento Rural (endereços) ou entre em contato conosco pelo Fale Conosco.