Dia de Campo sobre tangerina é realizado em Socorro

 

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta); da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), realizaram, no dia 20 de maio de 2016, a 11.ª edição do Dia de Campo de Tangerina e o 19.º Dia da Tangerina, em Socorro.

O evento reuniu 80 pessoas, entre técnicos da Casa da Agricultura e da Inspetoria de Defesa Agropecuária de Socorro, pesquisadores do Centro de Citricultura do Instituto Agronômico (IAC) “Sylvio Moreira” e produtores rurais do município e também de outras localidades, inclusive de outros estados, mostrando assim a importância da cultura da tangerina.

De acordo com o engenheiro agrônomo responsável pela Casa da Agricultura de Socorro, Rodrigo da Silva Binoti, o evento foi realizado graças ao empenho de parceiros e instituições, os quais não mediram esforços. “E, mais uma vez, o público correspondeu interagindo com os palestrantes”, disse Rodrigo Binoti.  

A programação de palestras foi bem diversificada, com temas que versaram sobre técnicas de manejo em tangerinas: Controle de mato e poda de limpeza, proferida por Rodrigo Martinelli e Fernando Alves de Azevedo, ambos pesquisadores do Centro de Citricultura/Instituto Agronômico, de Campinas; Greening: Manejo Regional e Alerta Fitossanitário, por Bruno Daniel, técnico do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus)/Regional Casa Branca; e Sistema Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave) de controle de Greening: novas instruções para relatório, pelo chefe da Inspetoria de Defesa Agropecuária de Socorro, Frederico Augusto dos Santos Ferreira.


Os eventos proporcionaram aos produtores informações atualizadas sobre a necessidade de realização de manejo regional para o combate ao greening. “Uma das alternativas que produtores de outras regiões têm usado, para minimizar os problemas com a doença, é o monitoramento do psilídeo (o agente transmissor), a erradicação de plantas doentes e outras ações de manejo e controle do Greening”, explicou Bruno Daniel, do Fundecitrus.

Sobre o Sistema Gedave, o engenheiro agrônomo Frederico transmitiu os procedimentos necessários para atualização do Relatório de Inspeção do Greening e esclareceu dúvidas dos participantes.

Os pesquisadores da Apta falaram sobre tratos culturais em pomares de tangerina, poda, sanidade e melhoria da qualidade dos frutos. “Os produtores precisam saber que os tratos culturais devem ser iniciados logo no primeiro ano da instalação do pomar, a fim de conduzir as plantas de forma a obter uma boa produção”, explicou o pesquisador.

Na parte da tarde, foi realizada uma visita ao pomar de tangerina do Sítio Santo Antonio, em Socorro, de propriedade do agricultor José Tarcísio de Faria, que tem buscado ferramentas para melhorar a sua produção. “Temos procurado fazer um bom manejo do pomar, principalmente para o controle do greening, mas infelizmente existem produtores que não o fazem e, por isso, acabam colocando em risco a sanidade das nossas e de outras plantas. Desde que fizemos o plantio, temos eliminado as plantas doentes e feito o controle do vetor, por meio de pulverizações com inseticidas”, informou o produtor.


Durante a visita técnica ao pomar, os participantes foram divididos em grupos para receber informações e orientações nas três estações montadas na área, sobre nutrição de plantas; importância do uso de mudas sadias; manejo de mato, com uso de roçadeira ecológica; e manejo de poda em tangerinas, por técnicos da iniciativa privada e pelos pesquisadores do Centro de Citricultura.

Para o engenheiro agrônomo Rodrigo Binoti, o evento é muito importante para o município de Socorro pois, conforme dados do Levantamento Censitário das Unidades de Produção Agropecuária (Lupa), a área de produção de tangerina é de aproximadamente 450 hectares e a fruta produzida tem boa aceitação no mercado. “Precisamos adotar as Boas Práticas que envolvem os tratos culturais à cultura e, mais do que nunca, essas ações devem ser realizadas de forma coletiva, regionalizadas, para que a atividade tenha continuidade, tendo em vista que, hoje, a maior ameaça aos pomares de tangerina é o greening, diante do qual ações individuais não serão suficientes para o manejo e o controle da doença”.

As ações de combate ao greening estão sendo trabalhadas pela Casa da Agricultura em conjunto com a Prefeitura Municipal de Socorro, por meio do Departamento de Desenvolvimento Rural, do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (Comder), da Defesa Agropecuária, entre outras instituições. “Mas, a participação do produtor rural é fundamental para o resultado que esperamos alcançar”, ressaltou Rodrigo.

O evento, realizado no Salão Comunitário do Bairro dos Pereiras, contou com apoio de empresas privadas ligadas ao segmento, do Comder, da Prefeitura Municipal, do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar – SP) e do Sindicato Rural de Socorro.

Mais informações: (19) 3743-3870 ou 3743-3859
jornalismo@cati.sp.gov.br