CATI promove Dia de Campo sobre milhos variedade

Acesse o video


Em continuação à estratégia de fortalecimento da produção e disponibilização de sementes de milho para os produtores rurais, a CATI, por meio de seu Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM), realizou no dia 15 de março, o Dia de Campo Milhos Variedade: produtividade e rentabilidade.

Inovação, tecnologia e interação entre os técnicos da CATI e do DSMM, definiram a atividade, que contou com a participação de cerca de 200 pessoas. Segundo Ricardo Lorenzini, diretor do DSMM, o objetivo foi atualizar as informações sobre as tecnologias empregadas e os resultados obtidos nas variedades de milho produzidas pela CATI. “A proposta do Dia de Campo foi capacitar extensionistas de toda a rede sobre as variedades disponíveis, para que eles possam multiplicar o conhecimento aos colaboradores das Casas da Agricultura, a fim de otimizar e uniformizar informações, agilizar a divulgação dos materiais e promover orientação correta aos produtores e demais interessados, no momento da aquisição de sementes”.

O secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, que abriu os trabalhos do Dia de Campo, ao lado de autoridades locais e regionais, falou da importância do investimento na produção de sementes variedades e sobre a revitalização da Fazenda Ataliba Leonel. “O clima, nesse 15 de março, foi de alegria e comemoração. Estiveram reunidos representantes das Regionais da CATI e importantes lideranças regionais, que vieram festejar o resgate da produção e a revitalização da Fazenda Ataliba Leonel, unidade histórica que tem retomado suas atividades, com resultados efetivos na disponibilização de sementes. Nesse evento de trabalho, tivemos no campo, a possibilidade de verificar a produtividade e a qualidade do milho. Nas palestras, foi possível obter conhecimento sobre as variedades produzidas, atestando que, diferente de outros materiais, como os transgênicos, elas são totalmente acessíveis ao produtor rural, com custo maior menor. Também foi possível conhecer as inovações que a CATI, por meio do DSMM, tem adotado na conservação de sementes.  Agradeço à CATI que leva sementes até o pequeno produtor, contribuindo com agregação de valor, dando-lhe mais alternativas de produção, renda e melhor qualidade de vida”.

Além de Arnaldo Jardim, diversas autoridades locais e regionais prestigiaram o Dia de Campo. “A Fazenda do Estado, como Ataliba Leonel é conhecida em nosso município, sempre teve um papel fundamental, tanto na geração de emprego como na projeção do trabalho de produção de sementes em todo o Estado. Eu tenho uma ligação profunda com a Fazenda, pois nasci aqui, estudei e vivi toda a minha juventude. Meu pai trabalhou aqui por 40 anos. Nos últimos tempos, eu via com tristeza, como homem público e também por conta das minhas raízes, a redução de investimento e a paralisação das atividades. É muito emocionante estar aqui e ver o seu renascimento com novas tecnologias, novos equipamentos, aumento da produção. E, neste Dia de Campo, ver dezenas de técnicos da CATI de todas as regiões do Estado, obtendo conhecimento e trocando experiência, é um orgulho para o nosso município”, relatou emocionado, o prefeito municipal de Manduri, Paulo Roberto Martins.

       
 

O coordenador da CATI, João Brunelli Júnior, enalteceu a dedicação com que os técnicos do DSMM têm atuado para alavancar a produção de sementes e falou sobre a integração dos técnicos da rede, promovida no Dia de Campo. “É uma alegria ver a interação entre os extensionistas, que estão em contato direto com os produtores nas nossas Regionais e Casas da Agricultura, e os do DSMM, pois o Departamento tem uma função importante para o desenvolvimento das ações de extensão. Neste Dia de Campo eles puderam ver a revitalização da fazenda, fruto de um trabalho de equipe e gestão do DSMM. Sobre os milhos variedade, é importante salientar que é um excelente produto, competitivo no mercado, como pudemos ver nos dados aqui apresentados. Por isso, ressalto que vale a pena a CATI investir na divulgação e venda para os agricultores, como parte da nossa proposta de fortalecimento das cadeias produtivas”.

Diante desses depoimentos, o diretor do DSMM reforçou que, para melhor atender ao produtor, o Departamento investirá cada vez mais em tecnologia, classificação e tratamento das variedades de milho; em aumento da produção, na melhoria da qualidade das sementes, entre outras ações. “O Dia de Campo superou as nossas expectativas, no entanto, já estamos trabalhando em novas ações, principalmente na comercialização de sementes com a implantação de sistema de recebimento por cartões nos nossos Núcleos de Produção de Sementes e Mudas, bem como na maioria das Casas da Agricultura. Também estamos programando outros Dias de Campo, como o que será organizado em parceria com o Instituto Agronômico, para demonstrar os projetos de pesquisa de testes de variedades de cana, que estão instalados na Fazenda.


Programação contou com palestras e estações

A programação contou com palestras técnicas sobre os temas Posicionamento de Culturas de Milho Convencionais e Diferenciação de Manejo em Cultivares de Milho, proferida pelo pesquisador científico do Instituto Agronômico, Aildson Pereira Duarte; e Controle de Insetos e Pragas no Armazenamento de Sementes de Milho, proferida pelo engenheiro agrônomo Márcio Luiz Mondini, do Núcleo de Produção de Sementes de Paraguaçu Paulista.

Além do manejo e as vantagens do milho variedade, Aildson Duarte destacou a grande evolução da indústria de sementes no Brasil e a baixa disponibilidade de milho convencional no mercado. “O milho variedade vem suprir a demanda por milhos convencionais, a qual não está sendo atendida pelo mercado. No caso de silagem, que representa uma parte importante do mercado na safra de verão, as variedades AL da CATI, têm um desempenho muito satisfatório para essa produção. Um ponto importante a ser destacado sobre as variedades, é a necessidade do melhoramento contínuo, e o CATI AL Avaré que é um material mais novo, com desempenho superior, com menor acamamento e quebramento de plantas”, explicou o pesquisador, salientando que o Dia campo foi uma oportunidade de transferir os conhecimentos gerados em 25 de anos de parceria entre o IAC e a CATI, no trabalho integrado de avaliação de cultivares de milho no Estado, “Estamos em um ambiente otimista, pois além de ter as variedades é preciso ter as sementes. E com revitalização da produção de sementes na Fazenda Ataliba Leonel, será possível colocar sementes nas mãos dos produtores”.

A programação também contou com quatro estações, que, além de informar sobre o processo produtivo das variedades e apresentar tecnologias e inovações na conservação das sementes, aprimorou o conhecimento sobre o sistema Integração Lavoura e Pecuária.

       


Gerson Cazentini, diretor do Centro de Produção de Sementes do DSMM, falou sobre os milhos AL Avaré, AL Piratininga, AL Bandeirante e Cativerde, variedades apresentadas no Dia de Campo. “Nas estações mostramos a evolução que nossos materiais tiveram ao longo dos anos. Os técnicos puderam conhecer in loco as características de cada material e sua intenção de uso. Mostramos o novo espaçamento adotado no plantio, que foi de 50cm entre as linhas, o que favoreceu o manejo. O planejamento do plantio foi seguido a risca, em todos os materiais, cativerde, nossa variedade para milho verde; AL Piratininga, nosso material para silagem e grãos; AL Bandeirante, o mais rústico e nossos materiais, a mais tempo no mercado, que é o melhor de raiz, sendo indicado para áreas de pastagem degradada e outros com nível de investimento de médio a baixo; e o nosso carro-chefe, o AL Avaré, que possui maior teor produtivo, arquitetura de planta mais moderna, inserção de espiga homogênea, e que neste ano sendo plantado nesse novo adensamento, em uma área irrigada, plantada de agosto e setembro, chegou a um teto produtivo de 10.630 kg por hectare”.

Entre os participantes, a satisfação foi grande quanto às informações repassadas. Para Vinicius Sampaio do Nascimento, engenheiro agrônomo da CATI Regional Guaratinguetá, o Dia de Campo foi importante para mostrar a revitalização da Fazenda Ataliba Leonel e as inovações que estão sendo empregadas na produção. “A Fazenda está em um caminho de modernização, o que dá retaguarda para nós, da extensão, propagarmos o uso do milho variedade, que é uma opção interessante para os agricultores familiares. O evento teve uma qualidade impressionante fornecendo todo subsídio técnico para posicionar o milho variedade de forma correta e mostrar a sequência de produtos e manejo para que ele atinja o potencial genético máximo, como vimos aqui na Fazenda. A nossa estratégia na regional será difundir ainda mais as nossas variedades, que já são testadas pela Cooperativa de Laticínios Serramar, que abrange todo o Vale do Paraíba”.

Outro que se posicionou com entusiasmo sobre o evento, foi Luiz de Sá, engenheiro agrônomo da CATI Regional Mogi Mirim. “É a primeira vez que venho aqui. Trabalho há muitos anos na CATI, e digo o quanto é importante participar deste Dia de Campo para recomendar, pois deixamos de ser aqueles que apenas recebem as sementes e as comercializam e passamos a entender todo o processo. Essa interação com os técnicos responsáveis pela produção de sementes foi muito bem pensada. A partir de agora, poderemos levar mais conhecimento aos produtores, além das sementes”, avalia o agrônomo, informando que, há 15 anos a Regional Mogi Mirim realiza ensaios sobre as diversas cultivares de milho comercializadas na região, de empresas privadas e da CATI, em parceria com a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta). “Ao final de cada ano, organizamos um Dia de Campo e apresentamos os resultados das avaliações em relação a doenças e pragas; altura de planta; produtividade, entre outras; ou seja, disponibilizamos informações que ele precisa para adquirir a melhor semente para sua área. E, os milhos da CATI, entre os do nível dele, são os mais procurados pelos agricultores familiares produtores, que tem dificuldade para encontrar milho convencional. Temos visto, na prática que essa demanda só tende a aumentar, portanto é preciso ampliar a produção, o que é uma alegria ver que a CATI está fazendo”.

       


Mais informações: (19) 3743-3870 ou 3743-3859
jornalismo@cati.sp.gov.br